Estudante brasileira cria impressora em Braille de baixo custo e alta qualidade

0

Bruna da Silva Cruz, estudante e com apenas 19 anos, criou uma impressora que pode revolucionar a vida das pessoas com deficiência visual. A invenção da jovem reproduz textos em Braille, o sistema de escrita tátil utilizado por pessoas cegas ou com baixa visão. O usuário digita pelo computador, envia um arquivo de texto pelo celular ou dita as palavras, e o conteúdo é impresso automaticamente em alto relevo.

seguro de vida para casais homoafetivos

Hoje fazendo estágio supervisionado, após ter concluído as aulas do curso técnico de Mecânica, já havia recebido, no final de junho, o Prêmio Jovem Cientista da Assembleia Legislativa gaúcha por ter desenvolvido essa impressora com múltiplas funções para auxiliar a escrita de deficientes visuais.

– O que me fez desenvolver o projeto foi ter me interessado pela escrita em Braille, e visto a forma como ela costuma ser feita, com um instrumento manual. Me perguntei se não existiam tecnologias mais rápidas para isso. E é claro que sim, mas elas partem de R$ 6 mil e vão até R$ 30 mil, e cada uma tem uma só função. Então pensei se eu não poderia desenvolver algo mais barato, que pudesse ajudar essas pessoas. E consegui – vibra Bruna.

A invenção rendeu à jovem de Novo Hamburgo (RS) o segundo lugar no Prêmio Jovem Cientista 2019, que reconhece as pesquisas científicas e tecnológicas desenvolvidas por alunos de escolas de ensino médio e da educação profissional de nível técnico do estado. A relevância do protótipo criado por Bruna é reforçada pelo número de potenciais usuários: o Brasil tem mais de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual – 582 mil são cegas e 6 milhões têm baixa visão, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A oferta de obras literárias em Braille, porém, contempla uma parcela mínima dessa população. De acordo com a União Mundial de Cegos, representante de aproximadamente 253 milhões de pessoas com deficiência visual de organizações em mais de 190 países, cerca de 5% das obras literárias no mundo são transcritas para Braille nos países desenvolvidos. Já nos países mais pobres, esse número é de 1%.

“O que me motivou a fazer esse projeto foi unir as habilidades que eu estava desenvolvendo no curso técnico de mecânica à solução de um problema. No meu caso, entendi que a criação da máquina ajudaria na autonomia e independência de quem tem deficiência visual”, explica a estudante.

Fast Braille

O protótipo criado por Bruna, chamado de Fast Braille, funciona como uma máquina de escrever e uma impressora: “O usuário, seja cego ou não, usa o teclado de computador convencional para escrever os textos. Depois, ele manda imprimir, por meio da tecla ‘enter’, e os dados são enviados à máquina, para onde o conteúdo é compilado, transformado em Braille e impresso”, explica Bruna.

No caso do celular, o princípio é parecido: “Por meio de um aplicativo, o usuário seleciona o arquivo que ele quer imprimir e clica em ‘Enviar’. Já para reconhecimento de voz, a pessoa tem um botão que, ao ser pressionado, ouve o comando, transcreve e envia para a impressora”.

Mais leve e barata

De acordo com Bruna, a impressora ainda permite que esse tipo de equipamento seja mais acessível ao público. “Há máquinas parecidas? Há. Mas, de acordo com minhas pesquisas, são muito caras e pesadas e não costumam ter tantas funções em um produto só”, afirma. O protótipo desenvolvido pela estudante teve um custo de produção de cerca de R$ 1 mil. Em larga escala, segundo ela, o valor final não deve passar de R$ 3 mil – custo médio de um notebook -, o equivalente a um terço do valor encontrado no mercado.

Segundo Eliana Cunha, coordenadora da área de educação inclusiva da Fundação Dorina Nowill para Cegos, os modelos de boa qualidade disponíveis são caros e importados: “Os valores variam, mas um bom produto custa em torno de R$ 9 mil e costuma vir de países como EUA, Alemanha, Suíça e Espanha”. Para Eliana, a iniciativa da estudante pode ser um grande avanço na inclusão dos cegos.

“O Braille é fundamental para a leitura em papel. Ter liberdade para escrever e imprimir garantiria mais acessibilidade”, comenta. A impressora criada pela jovem também promete ser mais leve que as já existentes. “Meu modelo pesa em torno de três quilos, enquanto as máquinas do mercado têm entre 5 e 15 quilos”, declara.

Rumos do projeto

“Além do Prêmio Jovem Cientista, inscrevi o projeto em outras iniciativas de incentivo dentro e fora do país com o objetivo de espalhar a ideia e encontrar formas de torná-la possível”, diz Bruna sobre o futuro do projeto. Ela conta que a empresa onde trabalha atualmente mostrou interesse na ideia: “Pretendo incubar as pesquisas referentes ao protótipo na universidade e, quem sabe, ver em breve o modelo nas mãos das pessoas”, conclui.

Sem comentários

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *