Rapaz tenta explicar O Justiceiro, ignorando que se dirigia à AUTORA do mesmo e passa vergonha no twitter.

1

Que o Twitter é uma das maiores fontes de vergonha alheia todos já sabíamos, mas o que aconteceu no dia 05 de março foi ICÔNICO.

Um exemplo prático de como o “mansplaining”, ato no qual um homem insiste em explicar algo óbvio a uma mulher,  como se ela não fosse capaz de entender, ou diminuir e subestimar o conhecimento de uma pessoa pelo simples fato dessa ser mulher.

A autora Gail Simone decidiu fazer graça de uma tendência que se observa, onde homens insistem em dizer que mulheres, especialmente as super-heroínas, deviam sorrir mais. (Uma variante virtual do “Tão linda, pena que passa com essa cara de brava”; “Dá só um sorrisinho vai”; “Você ficaria ainda mais linda se sorrisse”).

A escritora resolveu criticar a série “O Justiceiro” da Netflix, afirmando que o personagem deveria sorrir mais para ficar mais bonito. Tão logo ela postou o comentário, já chegou alguém para desmerecer as opiniões dela.

A ignorância era tão grande, que o cidadão do bem esqueceu de verificar quem era a pessoa que estava dando opinião sobre como deveria agir o personagem, triste para ele, pois Gail é nada menos que a ESCRITORA dos quadrinhos que inspiraram a série.

Acompanhem o micão abaixo.

E na sequência quem precisou ser, finalmente, humilde e assumir que tinha feito besteira? O autor dos comentários, que pediu desculpas 2x afirmando que deveria ter prestado atenção em quem era a pessoa comentando sobre o personagem.

 

Resumindo, nunca subestimem a opinião de alguém, especialmente se você faz isso apenas por achar que mulheres não entendem do assunto. Chega de machismo, mesmo o institucionalizado e velado.

1 comentário

  1. Brenno Oliveira, Victoria Jeniffer, Gustavo Peixoto, Luana Lopes

    Achei interessante pois nos confundimos quando queremos explicar algo, e acaba sendo mansplaining, por casos como esse que aprendemos cada dia mais.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *