Nova Líder do Malawi anula 850 casamentos infantis e envia meninas de volta para a escola

0

Theresa Kachindamoto, é a Inkosi, ou chefe suprema, do distrito central do Malawi, país africano que começou a experimentar a democracia real apenas em 1994. Ela tem autoridade informal sobre mais de 900.000 cidadãos e se destaca como uma líder feminista ajudando mulheres e garotas de sua comunidade. Até 2016, ela já havia anulado mais de 850 casamentos forçados, colocado meninas na escola e começado uma luta para abolir rituais que iniciam crianças sexualmente.

seguro de vida para casais homoafetivos

 

Mais da metade das mulheres em Malawi acabam se casando antes dos 18 anos. O país ainda conta com um baixo Índice de Desenvolvimento Humano. Isso torna o trabalho de Kachindamoto ainda mais importante.

Ela já trabalha com essas ações há 27 anos e não para de conquistar vitórias para sua sociedade. Foi só no ano passado que ela conseguiu instituir a maioridade de 18 para casamentos (mesmo com assinatura dos pais). Devido à essa falta de maioridade era comum meninas de 12 anos grávidas de “seus maridos”. Atualmente a luta é para que a maioridade seja elevada para os 21 anos.

theresa-DEST

Por ser uma região muito pobre, é grande a incidência de famílias que arranjam casamentos para meninas a fim de aliviarem os gastos da casa, deixando as despesas para o futuro marido. E as consequências de comportamentos como esses que diminuem a voz feminina na sociedade são drásticas. Uma em cada cinco mulheres são vítimas de abuso sexual. O que é extremamente preocupante, uma vez que os índices de HIV só crescem no país. 

Por conta de sua conduta e postura, Theresa já foi até ameaçada de morte por outros políticos que são contra suas políticas públicas. Mas ela rebate e diz que continuará lutando até morte. E deixa uma mensagem quando entrevistada: “se elas forem educadas, podem ser o que quiserem”. Ou seja, até esposas e mães. Mas se elas quiserem.

Kachindamoto-2

 

Por: Hypeness com fotos de Al Jazeera

Sem comentários

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *