Neurocientista é alvo de mansplaining citando o próprio artigo

0

A neurocientista Dra. Tasha Stanton contou no Twitter um episódio de machismo que sofreu durante a Conferência Australiana da Associação de Fisioterapia, que aconteceu no fim de outubro. Ela foi vítima de mansplaining com sua própria pesquisa científica. 

seguro de vida para casais homoafetivos

Mansplaining é um termo em inglês usado para descrever o comportamento de alguns homens que assumem que uma mulher não conhece determinado assunto e insiste em explicá-lo, subestimando os conhecimentos da mulher.

Dra. Tasha Stanton, neurocientista em palestra na universidade da Australia
Dra. Tasha Stanton, neurocientista em palestra na universidade da Australia

O caso de Stanton é um exemplo de mansplaining: após uma palestra que ministrou, um cientista homem com quem conversava a interrompeu e sugeriu que ela lesse determinado artigo para “entender melhor” o assunto. O artigo que ele indicou, entretanto, tinha sido escrito pela própria palestrante.

“Espere aí por um segundo, amigo. Sou Stanton. Eu sou a autora do artigo que você acabou de mencionar'”, ela disse naquele momento da palestra. Ela e outros cientistas da conferência riram da situação, mas ela ficou desconfortável com o acontecido.

Dra. Tasha Stanton sorrindo.
Dra. Tasha Stanton

“Só para ficar claro: eu nunca esperaria que as pessoas soubessem como sou fisicamente”, ela escreveu posteriormente no Twitter. “Disse que era um grande elogio que ele recomendasse meu trabalho, que estava feliz por ele ter gostado e achado útil, mas que no futuro ele deveria ter cuidado para não assumir que outras pessoas não sabem as coisas.” 

Stanton é professora na Universidade do Sul da Austrália (UniSA), já publicou mais de 60 artigos em periódicos científicos e foi palestrante em mais de 50 conferências. Ela completou seu doutorado na Universidade de Sydney em 2010 e atualmente é bolsista do Conselho Nacional de Pesquisa em Saúde e Medicina (NHMRC) da Austrália. 

Sua pesquisa tem como objetivo entender por que as pessoas sentem dor e por que, às vezes, a dor não desaparece. Seu trabalho abrange tanto a dor experimental quanto a clínica e, ela analisa como a educação e a atividade física desempenham papel na recuperação de dores crônicas.

Sem comentários

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *