Instagrammer Jully – Pocahontas salva mãe e filha de espancamento por motorista enquanto 15 homens assistiam

5

A atleta e modelo fitness Jully Oliveira pocahontas) salvou duas mulheres, mãe e filha, de de uma agressão na terça-feira (12) em São Paulo. Um motorista de aplicativo espancava as mulheres, às margens da Radial Leste (importante via expressa da capital paulista), porque a mãe estava passando mal e o homem não queria sujar o carro. Cerca de 15 homens assistiam à cena sem interferir – um deles justificou a omissão afirmando que pensava ser briga de “marido e mulher”.

seguro de vida para casais homoafetivos

A briga começou, segundo a atleta, porque a mulher mais velha estava passando mal e queria vomitar. O motorista de aplicativo, então, ameaçou encerrar a viagem no meio do trajeto porque não queria sujar o carro, o que foi rejeitado por mãe e filha. “Ambas estavam sem bateria para pedir outro e era perigoso o local”, relata Jully.

A atleta estava voltando de uma academia com o companheiro quando flagrou as duas mulheres sendo agredidas às margens da avenida pelo homem. “Quando a gente passa e ver uma mulher ser espancada, bicuda, soco na boca. Não era tapinha. Coisa pesada mesmo, muito pesada. Falei: ‘para o carro agora’, na hora. Estava numa avenida e não dava para dar ré”, relembra.

“Então eu desci do carro e fui correndo ao encontro do carro que estava parado na avenida para resgatar a mulher… Chegando lá ele entrou no carro e largou a senhora no chão (ela não conseguia andar) e então carreguei ela no colo e sai correndo com ela nos meus braços e ela gritava e chorava ‘MINHA FILHA ESTÁ DENTRO DO CARRO’. Adrenalina era tão grande que eu nem sentia o peso dela”, afirma Jully.

A modelo deixou a senhora aos cuidados do companheiro e foi atrás da mulher mais nova, que estava sendo agredida pelo motorista do app. “O motorista tinha parado o carro mais pra frente e estava agredindo a filha, então sai correndo em direção a ela”, diz. “Chegando lá, não pensei duas vezes e golpeei ele com um soco no maxilar”.

“Imobilizei ele, peguei num mata-leão, quando vi que ele estava quase apagando, virei e amarrei com cadarço dele. Quiseram me bater ainda porque achavam que estava judiando dele”, relata.

15 homens inertes perante agressão

A modelo, logo após chegar à casa por volta das 4h20 depois de prestar queixa na delegacia, gravou stories no Instagram – e admitiu ter ficado chocada com a falta de reação de 15 homens que apenas assistiam à cena.

“Cheguei tinha uma plateia lá. Não era tapinha, era murro. O engraçado é que tinha tanta gente lá e ninguém fazia nada. A galera parava o carro para assistir. Que mundo a gente vive que não se importam?”, indaga.

“Se eu não chegasse lá, ela estaria morta. Estou sem chão, que mundo é esse? Sejam humanos”, diz.

A postagem da Jully já tem mais de 1 milhão de visualizações, com centenas de parabenizações e agradecimentos. A atleta chegou a ser criticada por algumas pessoas, que alegaram que ela espancou o motorista. A mulher se defendeu afirmando que só usou a arte marcial fora de campeonato para proteger alguém.

E alertou: “BRIGA DE MARIDO E MULHER se mete a colher sim, o braço, o joelho, o que for preciso… Ele bateu em 2 mulheres por ser machão e 1 SOZINHA derrubou, humanidade pfvr”.

Via BHAZ

5 comentários

  1. Ana Beatriz

    A desculpa de “achei que era marido dela ” foi a coisa mais nojenta que já escutei.
    Agora se for casada com alguém é necessário deixar ele te bater.

  2. Iran e Ryan

    A falta de humanidade e sensibilidade daqueles que não se impõem perante a situação onde mulheres sofrem abuso e agressões é repugnante, e cada dia mais vem acontecendo nas ruas, locais públicos e até mesmo dentro de casa, o que acaba gerando uma força maior que deve ser combatida por meio de intervenções como a vista na matéria. Denúncias de violência contra mulher aumentam 30% em 2018 no Brasil, segundo o jornal nacional, em seis anos, 6.393 mulheres morreram, apesar de já terem procurado atendimento na rede pública por agressão em outras ocasiões, chega a uma média de três mortes por dia, o que se torna lamentável.

  3. ian

    Isso e absurdo ! como 15 homens não fazem nada, eles não são homens de verdade , pq pra ver 2 mulheres sem agredidas e não fazerem nada e desumano !vc fez bem ao ir la !dou meus parabéns! pq parece que nao e qualquer um que vai ajudar!

  4. Karoline

    Mesmo que fosse briga de marido e mulher não pode deixar pra lá eles foram covardes em não ajudar esses que se dizem homem e estavam assistindo a essa covardia talvez se a moça não tivesse chegado o pior teria acontecido e qual ia ser a desculpa daqueles homens que estavam assistindo aquela agressão

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *